Início Notícias Servidores acompanham votações da Câmara de Caucaia. Veja os resultados

Servidores acompanham votações da Câmara de Caucaia. Veja os resultados

Ontem, 11 de abril, os servidores de Caucaia atenderam ao chamado do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Caucaia (Sindsep) e estiveram na Câmara Municipal para acompanhar as votações daquele dia. Em pauta, projetos de lei que incidem sobre as vidas dos trabalhadores públicos municipais, tanto positivo como negativamente.

O primeiro projeto analisado, de lei de autoria do prefeito Naumi Amorim, trata da criação de novos cargos no âmbito do serviço público municipal e atende a clamor do Sindsep para a regulamentação de novos postos de trabalho que permitam a convocação remanescente dos professores do concurso de 2016. A iniciativa foi aprovada por unanimidade.

E a medida que dispõe sobre a gratificação pela proteção de bens e serviços, conferida aos agentes de defesa civil e guarda-vidas, redenominados para agentes de suporte gerencial, com percentuais de 80% (a partir de março de 2018) e de 100% (a partir de janeiro de 2019), ficou para ser apreciado na próxima sessão do legislativo.

O último projeto em debate, que propõe a retirada da Comissão de Sindicância, que sairia da Corregedoria Geral para a Procuradoria Geral do Município, não foi votado. Três vereadores pediram vistas e analisarão a medida. O Sindsep continuará em mediação com os parlamentares. Tal Comissão é responsável por avaliar os processos administrativos impetrados contra os servidores públicos. A avaliação do sindicato é de que medida seria uma “facilitação” para eventuais perseguições de ordem pessoal e/ou política contra os trabalhadores e se coloca contra a proposta.

Reajuste dos professores aprovado em sessão extraordinária

Após a primeira sessão do dia, a Câmara deu início a uma sessão extraordinária, convocada atendendo à solicitação do prefeito, haja vista que o mandatário enviou ainda naquela manhã o projeto de lei que trata do reajuste salarial magistério.

A proposta da gestão é de um aumento escalonado de 2% para os professores, sendo 1% aplicado a partir de abril, sem retroativo, e mais 1% a partir de setembro, também sem efeito retroativo. A proposta foi aprovada por unanimidade pela Câmara, embora sob críticas dos trabalhadores.

Em greve recente, os profissionais pleitearam 4,17% de reposição salarial, de acordo com a Lei Federal que regulamenta os proventos dos educadores. Ainda assim houve  quem avaliasse que o índice alcançado seja um avanço perante a intransigência da prefeitura, que, antes dos servidores cruzarem os braços, não daria reajuste algum para a classe. O Sindicato de Servidores informa, entretanto, que mesmo com o fim da paralisação e a aprovação dos 2% em lei, seguirá cobrando o alcance dos 4,17% por outros meios.

O executivo informou em nota em seu site que o reajuste salarial começará a ser pago este mês. Outras duas importantes medidas para a educação, que já foram aprovadas e que devem implementadas são o reajuste de 55,55% no auxílio alimentação (que passou de R$ 9 para R$ 14,40 ao dia) e de 8% no auxílio transporte.

Profissionais de apoio ficam sem reajuste. Sindicato protesta e ouve promessa

Já os profissionais do apoio, entre eles psicólogos, assistentes sociais e bibliotecários, que deveriam receber pelo menos a reposição da inflação, ficaram sem reajuste. Não foram citados na legislação aprovada ontem. O Sindicato protestou e cobrou ação dos vereadores. Após as manifestações, a presidência da Câmara esclareceu que há uma promessa do prefeito Naumi de enviar uma nova minuta de lei tratando da elevação salarial de 2019 e também de 2018, que vinha sendo cobrada pela entidade sindical.