Início Notícias Lançada campanha salarial 2015 dos servidores de Caucaia

Lançada campanha salarial 2015 dos servidores de Caucaia


“Eu quero mais direitos” é o tema da campanha salarial nacional unificada 2015 dos servidores municipais, lançada no último dia 23 de dezembro. O ato, realizado no salão paroquial de Caucaia, reunião trabalhadores públicos de toda a cidade. A presidenta do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Caucaia (Sindsep), Maria Santos, destacou o papel da nova mobilização, que é ampliar as conquistas e renovar direitos.


A pauta local se soma ao apelo do tema nacional e cobra as seguintes propostas:


·         Piso Salarial;


·         Reajuste do auxílio transporte e refeição;


·         Auxílio refeição e transporte para todos os servidores;


·         Insalubridade/risco de Vida;


·         Progressão;


·         Ascensão funcional;


·         Plano de cargos e carreira para ACS e ACE;


·         Melhores condições de trabalho;


·         Pecúnia


·         Horário diferenciado para as creches de tempo integral.


·         Ampliação para 100% da gratificação para o Núcleo Gestor


·         Regulamentação das 30 h dos Assistentes Sociais


·         Aumento Salarial de 15% ( todos);


·         Produtividade e insalubridade para os servidores que ainda não recebem;


·         150h para todos os servidores da saúde;


·         Rever a produtividade dos servidores da saúde que já recebem;


·         Melhoria no aspecto físico no ambiente de trabalho (cadeiras adequadas e etc.);


·         Formação constante para os servidores da saúde;


·         Cursos de Pós Graduação, mestrado e doutorado serem incluídos na redução de carga horaria;


·         Inclusão dos cursos técnicos no PCC de nível médio e fundamental.


 


A campanha chama atenção de servidores e da sociedade para a onda conservadora que tomou o país desde as jornadas de junho de 2013 e que se intensificaram nas eleições presidenciais de 2014. Sendo assim, os servidores de Caucaia se somam às pautas nacionais da campanha, que incluem demandas dos movimentos sociais, como a Reforma Política e democratização dos meios de comunicação. Os militantes chamam a atenção para a necessidade do rompimento com os valores que caracterizam as gestões das cidades, sempre associadas a muito amadorismo, clientelismo, cooptação e corrupção.


A campanha cobra a criação de mecanismos de justiça fiscal; a participação dos trabalhadores públicos na discussão orçamentária local; reajuste salarial com ganho real para todos; fim da terceirização para atividades fins; instituição de pisos salariais – sobretudo o cumprimento dos pisos regulamentados de professores, agentes de saúde e agentes de endemias; planos de cargos e carreiras; regulamentação da negociação coletiva – com a ratificação da Convenção 151 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) nas cidades; concurso público; fim do fator previdenciário; e igualdade de oportunidades para mulheres, negros/as, jovens e LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais).


Retrospectiva das conquistas de 2014


O encontro oportunizou ainda a prestação de contas do sindicato para com a categoria, apresentando o levantamento das conquistas da campanha salarial de 2014, que foi excepcional em termos de novas demandas alcançadas, como a implantação do 1/3, vale-alimentação e progressão salarial. Acompanhe:


·         Duas progressões;


·         Reajuste 8,32% professores;


·         Reajuste 5% para servidores de nível superior;


·         1/3 para o Planejamento;


·         Notebooks para cada professor;


·         Ascensão funcional;


·         Seleção para núcleo gestor das escolas;


·         32 horas para Enfermeiras do PSF;


·         Auxílio Refeição;


·         Pecúnia;


·         Manutenção dos professores readaptados nas mesmas funções e locais de trabalho;


·         Desconto de 10% no novo valor do Hapvida via ministério Público;


·         918 servidores de nível médio  fundamental enquadrados no PCR;


·         Concurso Público 2015;


·         GRA para as fisioterapeutas


·         4% das supervisoras.